Av. Prof. Luiz Ignácio de Anhaia Mello, 4141 & 4272 • Vila Ema – São Paulo

11 2211-2020
0 Compare Page

Blog

Setor automotivo e sustentabilidade: É possível coexistir?

A questão ambiental está em alta e pretende ficar pelos próximos anos, afinal, trata-se de uma questão de real urgência e é fundamental que mudemos muitos de nossos hábitos pessoais, econômicos e industriais para poder salvar o nosso planeta. Os automóveis possuem uma pesada responsabilidade nessa questão, já que emitem muitas substâncias poluentes na atmosfera, o que acaba inevitavelmente gerando o seguinte questionamento: o setor automotivo e sustentabilidade podem coexistir?

Antes de responder a essa pergunta, é importante entender o que é o conceito de sustentabilidade. Ser sustentável consiste em uma série de ações que visam diminuir o máximo possível o desperdício dos nossos recursos naturais e tentar evitar a emissão de substâncias tóxicas que podem afetar diretamente na qualidade de vida da nossa e das gerações futuras.

Essa preocupação tem feito com que as pessoas e até mesmo as grandes empresas criem novos hábitos de vida que estrategicamente ajudam a preservar o planeta e quando falamos em automóveis, não é diferente. Setor automotivo e sustentabilidade podem sim coexistir, mas como isso acontece? O que caracteriza um carro sustentável? Vamos descobrir abaixo.

Setor automotivo e sustentabilidade, como se estabelece essa relação?

O que torna um automóvel um elemento responsável por grande parte da poluição mundial é seu combustível, sendo que os tradicionais quando queimados acabam sendo emitidos na atmosfera convertidos em gases nocivos.

Por isso, muitas montadoras investiram em novas tecnologias que permitiram que fossem criados automóveis movidos de formas alternativas, como eletricidade e biocombustíveis, como cana de açúcar, por exemplo.

Essas pequenas mudanças já fizeram com que o planeta fosse poupado de 32 milhões de toneladas de gás carbônico nos primeiros seis meses de 2018, mas esse não é o único fator que determina que um carro é sustentável, fazendo com que a relação entre o setor automotivo e sustentabilidade seja um pouco mais complexa.

O Conselho Americano de Economia de Energia Eficiente possui uma lista de requisitos que tornam um carro sustentável que não se limita apenas ao tipo de combustível. Um automóvel precisa ser econômico (funcionar sem uso excessivo de combustíveis), não emitir ou emitir mínimas quantidades de carbono no oxigênio, causar o mínimo de impactos globais e também contar com uma produção que não necessite o uso excessivo de energia a ponto de agredir ao meio ambiente.

Isso quer dizer que mesmo que um veículo seja movido a base de um biocombustível, se sua produção exigir altos desperdícios de energia, este deixa de ser considerado um automóvel sustentável.

São exemplos de carros sustentáveis: Chevrolet Spark EV, Fiat500e e Toyota Prius ECO, entre muitos outros. A maioria desses modelos ainda não está disponível em território nacional, mas devem chegar em breve.

O que quer dizer que em breve você poderá contribuir para um futuro melhor para nosso planeta, podendo fazer parte de algo que une o setor automotivo e sustentabilidade. A Quest Multimarcas reconhece a importância dessa causa e a apoia desde já.

Setor automotivo e sustentabilidade: É possível coexistir?
Primeira Habilitação

Primeira Habilitação: um passo a passo para tirar

Você completou 18 anos ou finalmente venceu seu medo de dirigir? É hora de tirar a sua primeira habilitação. Possuir a CNH (Carteira Nacional de Habilitação) é uma verdadeira comodidade, já que permite que você possa circular pela cidade de forma muito mais prática, sem que seja necessário depender de transporte público, caronas ou aplicativos. Dirigir seu próprio carro é o sonho de muitas pessoas.

Por se tratar de uma primeira experiência, é muito comum que as pessoas não saibam exatamente como proceder nesse momento, quais são os requisitos para poder adquirir o documento e quais são as etapas desse processo. Tudo de início pode parecer um bicho de sete cabeças, mas na verdade o procedimento pode ser bem simples se você estiver bem informado.

O que é necessário para tirar a primeira habilitação?

Para poder dar entrada em sua primeira habilitação, você precisa ter no mínimo 18 anos, ser penalmente imputável (Ou seja, poder ser responsabilizado por seus atos) e alfabetizado, além de possuir documentação básica (RG e CPF). Ao cumprir esses requisitos você deve procurar uma autoescola que melhor atenda as suas necessidades (proximidades, preços, disponibilidades de tempo, etc) e realizar o cadastro de biometria se dirigindo ao DETRAN do seu estado.

Após esse cadastro, você deverá passar por exames físicos e psicológicos que avaliam se o candidato está apto a dirigir, após isso serão cobradas algumas taxas referentes a todo o procedimento de retirada da primeira habilitação.

Assim que todas as taxas estiverem pagas, é dado o início do curso teórico, onde você aprenderá regras básicas de trânsito, como se portar em situações de emergência entre outros temas. Esse curso possui duração de 45 horas/aula e você deverá realizar uma prova após esse período, que para ser aprovado, é necessário acertar no mínimo 21 das 30 questões disponíveis.

Caso você não alcance a pontuação necessária, você deve refazer o exame em até 15 dias.

Passadas as partes burocráticas e teóricas, o próximo passo em direção à sua primeira habilitação consiste na realização das aulas práticas, que podem se dividir em diferentes cargas horárias de acordo com a categoria que você deseja adquirir.

São 5 categorias de CNH que vão de A até E. As aulas devem duram no mínimo 16 horas diurnas e 4 horas noturnas. Depois de cumprir as horas de aula prática, é hora de realizar o teste final, onde você será avaliado no trânsito.

Foi aprovado? Que maravilha! Agora é hora de comemorar e solicitar a sua PPD (Permissão Provisória para Dirigir) e permanecer com este documento durante um ano, dirigindo de forma responsável.

Importante lembrar que essa não é sua primeira habilitação definitiva. Você só terá direito a ela se durante esse período de um ano você não cometer nenhuma infração grave ou gravíssima ou mais de uma infração média. Por isso é importante sempre estar muito atento e guiar sempre com muita responsabilidade.

Além de correr o risco de perder sua CNH definitiva, conduzir seu veículo de forma imprudente pode colocar a sua vida e a de outras pessoas em perigo. Dirija sempre em segurança. A Quest Multimarcas apoia essa ideia.

Primeira Habilitação: um passo a passo para tirar

Dicas para cuidar bem dos bancos de couro do seu carro

Quem tem bancos de couro no carro sabe: manter tudo sempre limpinho pode ser um desafio. O material é mais delicado do que os tecidos comuns e alguns fatores de rotina podem facilitar o aparecimento de manchas e desgaste. Mas realizar os cuidados com esse tipo de banco pode ser muito mais simples do que você imagina. Vem conferir!

O que pode causar desgaste e manchas nos bancos de couro?

O próprio uso dos bancos de couro no dia a dia já pode causar desgaste leves, naturalmente. Dependendo do tipo de tingimento de alguns tecidos das roupas que usamos (sendo o jeans um dos mais comuns), em contato com o suor do corpo, pode criar pequenas manchas por conta da própria rotina de uso do veículo e quando acumuladas podem tornar o desgaste maior.

Quem costuma circular com crianças pequenas em seus automóveis também corre risco de manchas, se elas tiverem o hábito de comer dentro do carro. É super comum que uma criança derrube um pouco de suco ou algum doce daqueles que fazem “aquela meleca” nos bancos.

Por mais que os bancos de couro sejam propensos a manchas, estes também são muito fáceis de se limpar, o que é fator crucial na escolha desse material por muitos proprietários, além da sofisticação e valorização do veículo, é claro.

Mas como fazer a limpeza dos bancos de couro?

Limpar o banco de couro do seu carro é uma tarefa bastante simples e não demanda o uso de materiais muito caros, o que faz com que os cuidados necessários sejam também bastante econômicos, normalmente, um pano úmido pode ser o suficiente para deixar tudo limpinho, mas em casos de  sujeiras mais difíceis é necessário o uso de produtos neutros e também é importante fazer tudo dentro de um passo a passo.

Pegue um pulverizador e dentro dele monte a seguinte solução: 200ml de água e uma colher de chá de detergente neutro, após a mistura, basta espirrar a solução nos bancos de couro e esfregar com uma esponja de cozinha.

Outro produto baratinho e que pode parecer um pouco inusitado, mas é um grande aliado na limpeza de um banco de couro (mas não funciona exatamente em couro sintético) é o creme hidratante para a pele.

Isso mesmo! Com um produto simples que você encontra em qualquer farmácia e na maioria dos supermercados, você cria uma camada protetora no banco que prolonga a durabilidade do material.

O que evitar?

Assim como existem produtos que podem ser altamente eficientes para limpar seu banco de couro, também existem aqueles que não são indicados, pois podem até mesmo prejudicar o material, são eles: lustra móveis, produtos de limpeza não neutros e abrasivos. Algumas situações como excesso de exposição à luz solar e de ar condicionado também podem ser prejudiciais.

Investir em bancos de couro no seu carro pode valer a pena, e como você pode ver a manutenção deles pode ser muito mais fácil do que você imagina!

Para ficar por dentro de mais dicas como essa, basta continuar acessando nosso blog!

Dicas para cuidar bem dos bancos de couro do seu carro
Projetada para dar o máximo de controle ao motorista, a direção elétrica é um dos sistemas de direção mais modernos encontrados no mercado automobilístico.

O que fazer se se a direção elétrica do seu carro estiver pesada

A direção elétrica é um dos sistemas de direção mais modernos encontrados no mercado automobilístico. Projetada para dar o máximo de controle ao motorista, possibilitando uma condução segura, rápida, prática, fácil e confortável, esse tipo de direção também pode ser uma escolha econômica, já que demanda menos consumo de combustível, o que consiste em uma escolha altamente vantajosa.

Mas o que fazer quando a direção elétrica estiver pesada e mais dura do que o prometido? É possível que isso aconteça por conta de falhas na mecânica ou por falta de manutenções regulares, por isso é fundamental passar por um mecânico de confiança sempre que possível. Mas também existem alguns fatores que você pode observar e conferir se há necessidade de qualquer reparo.

Para te ajudar, preparamos para você uma breve lista de fatores que podem comprometer o desempenho de sua direção, basta ler abaixo.

Fatores que podem comprometer o bom funcionamento da direção elétrica

Pressão dos pneus: Pode parecer que não, mas se os seus pneus não estiverem devidamente calibrados, com a pressão e proporções incorretas de alinhamento, é possível interferir diretamente na direção, tornando-a mais pesada e consequentemente mais perigoso o ato de dirigir.

Isso faz com que seja necessário sempre conferir a situação dos pneus, incluindo o alinhamento frontal, já que quando irregular pode causar um desgaste maior dos pneus dianteiros, dificultando a presença de equilíbrio no momento de dirigir.

Falhas no braço da direção: Outro fator que pode contribuir para que a direção elétrica fique mais dura ou pesada é a ligação do braço da direção, que se conecta diretamente com a roda através de vários eixos e articulações em U. Devido ao fato de muitas peças trabalharem juntas, qualquer falha em uma delas pode interferir na direção, e notar que essa é a causa do problema é muito fácil: Basta observar como está a direção no momento de ligar o carro, se ela estiver pesada logo na partida, é hora de levar seu veículo a uma oficina.

Correia danificada: A correia da direção sofre desgaste naturalmente com o tempo de uso, ela pode quebrar ou se rachar, o que consequentemente dificulta o motorista de girar a direção. Por isso, fique atento aos primeiros sinais de rigidez, é o momento de trocar a peça.

Vazamento de fluídos ou fluído grosso: Para que a direção elétrica funcione corretamente, é necessário o uso de certos fluídos em sua estrutura, mas é preciso estar sempre atento se tais fluídos não estão vazando, em quantidades inadequadas ou acumulando resíduos de sujeira, que acabam engrossando o líquido. Qualquer irregularidade demanda manutenção imediatamente.

Falhas na bomba: A bomba é uma peça fundamental na direção elétrica ou em outros tipos de direção, como a hidráulica, por exemplo. Em ambos os casos, a pressão da bomba deve estar sempre em níveis adequados para facilitar a direção, por isso, esse é um dos detalhes que mais demandam atenção e manutenção.

Esses são alguns dos fatores que podem interferir no bom funcionamento da direção de seu veículo, se esta for elétrica. Quer mais dicas como essa? Siga acompanhando nosso blog.

O que fazer se se a direção elétrica do seu carro estiver pesada

Meu carro quebrou, e agora?

Ter um automóvel demanda inúmeros cuidados e atenção, já que viver em uma cidade grande ou pegar estrada com frequência pode causar alguns problemas. Não é incomum viver a seguinte situação: Você está guiando quando de repente sente que algo estranho está acontecendo, você diminui a velocidade para conferir, ou simplesmente o carro para. E agora? O carro quebrou. Como proceder em ocorrências desse tipo? Descubra abaixo.

Meu carro quebrou – o que devo fazer?

O primeiro passo é manter a calma, já que entrar em pânico pode mais atrapalhar do que ajudar. No primeiro sinal estranho, o ideal é respirar fundo e parar o carro imediatamente para que o problema não fique ainda maior, mas para isso é importante observar exatamente onde você está e procurar estacionar no lugar mais seguro possível, para não atrapalhar o trânsito e muito menos se colocar em risco.

Nesse momento é fundamental que se tome muito cuidado para que o problema do carro quebrado não evolua para algum acidente.

NÃO tente consertar seu carro sozinho, além de ser muito perigoso caso você não tenha o conhecimento necessário para tal, essa ação pode render multas.

Então o que você deve fazer quando perceber que o carro quebrou? Primeiro você deve sinalizar a área para informar a todos que naquele local há um carro quebrado, verificar onde você está e por fim, comunicar as autoridades ou solicitar um guincho, para que estes possam realizar os devidos procedimentos.

Sinalize o local. Você deve ligar o seu pisca-alerta e colocar o triangulo sinalizador na distância adequada para a via. Calcular essa distância é muito simples: basta pegar o limite de velocidade do local e converter em passos, por exemplo: se a velocidade máxima for de 80km/h, dê 80 passos. Em locais escuros, se possível, caminhe sempre com uma lanterna para que as pessoas possam visualizar que você está na via.

Já para verificar exatamente a sua localização, para que o resgate chegue ao local correto para te auxiliar, o ideal é fazer com que a tecnologia trabalhe a seu favor. No Google Maps e também no Waze você consegue calcular com precisão onde você está e onde o carro quebrou. Caso você não tenha como consultar essa informação em seu smartphone, verifique as placas nas proximidades.

Sabendo exatamente sua localização e com tudo sinalizado, é hora de pedir por socorro. Se você possui um seguro que te oferece o serviço de guincho, basta solicitá-lo, caso você não possua, existem aplicativos que podem te ajudar com esse serviço, você também pode comunicar as autoridades locais para que estes possam te orientar da maneira mais adequada possível.

Para evitar ao máximo que esse tipo dessa situação aconteça, é fundamental que você realize uma manutenção preventiva regularmente e fique sempre atento aos sinais de que seu veículo precisa de uma visita extra ao mecânico, para que você possa sempre guiar com segurança.

Mas se seu carro quebrou e com isso você chegou à conclusão que é a hora de trocar o seu veículo, consulte o nosso estoque e nossos serviços de seguro e manutenção. Será um prazer receber você em uma de nossas lojas.

Fique de olho no nosso blog, buscamos trazer sempre informações e dicas uteis para você.

Meu carro quebrou, e agora?

As Placas Mercosul já estão em vigor em São Paulo

Em 2019 foi possível acompanhar inúmeras notícias sobre a mudança na forma de emplacamento de veículos, onde as já velhas conhecidas dos motoristas, as placas cinzas serão substituídas pelas placas Mercosul, as trocas acontecerão por conta de alterações na legislação federal de trânsito, onde as PIVs (placas de identificação veicular) deverão atender ao padrão já adotados por outros países do bloco econômico, como Argentina e Uruguai.

Dessa maneira, os veículos brasileiros poderão ser reconhecidos e válidos também nesses países, o objetivo é fazer com que haja um padrão entre os veículos nos membros do Mercosul.

Essa mudança estrou em vigor do dia 31 de janeiro deste ano e como na maioria das alterações que envolvem legislação, muitas pessoas estão em dúvida sobre como proceder nessa situação. Em que casos as placas Mercosul são obrigatórias, o que muda na forma de identificar o veículo. Você poderá esclarecer essas questões abaixo:

Em que casos as placas Mercosul são obrigatórias?

Se você deseja saber se seu veículo precisa passar pelo novo emplacamento, confira se seu caso se encaixa em alguma das situações da seguinte lista:

  • Carros 0 km que precisam passar pelo primeiro emplacamento;
  • Alterações na categoria do automóvel;
  • Mudança de cidade ou estado;
  • Em casos de roubo, furto, extravio ou danos na placa (incluindo danos à tarjeta e ao lacre da placa traseira);
  • Placas reprovadas em vistorias veiculares
  • Em situações onde é necessário instalar uma nova placa traseira.

Para os motoristas que não se encaixam nos casos citados acima e desejam voluntariamente trocas suas placas, isso já é possível, mas é importante que haja ciência da obrigatoriedade de vistorias e da emissão de uma nova documentação do veículo (CRV) e dos custos que esses procedimentos podem implicar. Quem deseja manter a placa cinza até o momento do seu sucateamento, essa opção também é possível.

Para realizar a troca de sua placa, acesse o site do Detran e encontre empresas credenciadas para a realização desse procedimento em todo o estado de São Paulo.

O que muda?

O modelo das placas Mercosul possui algumas características básicas que diferenciam das placas cinzas atuais. Nas novas placas, serão inseridos sete caracteres, sendo quatro letras e três números dispostos na seguinte ordem: letra, letra, letra, número, letra, número, número.

As placas também terão o logo do Mercosul e a identificação de país, estado e cidade. Por fim, o lacre será substituído por um QR code.

No blog da Quest multimarcas você fica informado, esclarece suas dúvidas, aprende sobre as placas Mercosul e trata seu veículo como ele merece. Continue nos acompanhando para novos conteúdos como esse.

As Placas Mercosul já estão em vigor em São Paulo
carregamento
Top